Ajude o Governo: beba água mineral (Luís Sérgio Santos)

Em matéria para o jornal O Estado, o jornalista Luís Sérgio Santos comentou sobre a abusiva tributação da União sobre as águas minerais. O imposto recolhido chega a quase 50%, o que ele considera uma absurda “antipolítica” de saúde pública. Se consumir água mineral é medida preventiva para a população – até mesmo para evitar doenças que lotem nossa já precária rede pública de saúde – por que o Governo faz isso, se em outras nações que são até mais competitivas neste mercado a tributação é bem menor?
O Brasil ocupa uma posição razoável no ranking da International Bottled Water Association (Associação Internacional de Águas Engarrafadas), estando mesmo à frente de outros como Itália, México e Argentina. Porém, frisa o jornalista, o consumo per capita de água engarrafada nos Estados Unidos é bem mais que o dobro do nosso. E mesmo com nossas reservas naturais sendo bem maiores que de nossos vizinhos de continente, a pesada carga tributária apenas mostra o quando nosso Estado não tem ideia da importância estratégica do mercado de água mineral para a saúde pública. Ao que parece, o Estado quer ver todos doentes. Mais: a cidade de Fortaleza ocupa a constrangedora 66ª posição de estrutura de saneamento entre outras 100 metrópoles nacionais.
Mesmo assim, o jornalista conclui que o mercado para água engarrafada é promissor, ainda que a carga tributária seja impiedosa. Enquanto nós, consumidores brasileiros, arcamos com até 46,63% de impostos, os norte americanos são tributados com apenas míseros 9% – mostrando que o mercado lá é realmente mais competitivo, trazendo benefícios em inúmeras frentes de trabalho e consumo.